Características Reprodutivas da Ovelha – Parte I


Associados às características reprodutivas de uma ovelha estão alguns conceitos que são habitualmente utilizados: fertilidade, prolificidade, fecundidade e produtividade. Para melhor utilizar estes conceitos na gestão de um rebanho, é necessário previamente analisar alguns temas, tais como os que serão referidos nos próximos parágrafos.

Puberdade - Maturidade sexual

A puberdade é quando uma ovelha atinge a maturidade sexual e exibe estro (cio) pela primeira vez. A idade da puberdade é influenciada por diversos factores tais como: a raça, a selecção genética, o tamanho corporal, a nutrição e a época de nascimento. A maioria das ovelhas atinge a puberdade entre os cinco e os doze meses de idade.


Tendencialmente as ovelhas apresentam estro pela primeira vez no seu primeiro Outono. Por esta razão, as borregas nascidas na primavera tendem a exibir a puberdade mais cedo, por volta dos sete meses, do que as borregas nascidas no outono, por volta de um ano. Também as borregas de parto simples apresentam o primeiro cio com uma idade inferior relativamente às borregas de parto duplo ou triplo uma vez que, atingem facilmente maiores tamanhos corporais. Altos níveis de alimentação durante o pré e pós-desmame influenciam, reduzindo, a idade com que se atinge a puberdade.


De uma maneira geral, as raças de pêlo, tais como a Katahdin e a St. Croix, e as ovelhas de carne mais precoces, tais como as Dorset e as Ile de France, atingem a puberdade mais cedo do que as restantes. Também as ovelhas Finnsheep e Romanov e os seus cruzamentos atingem a puberdade precocemente.

Importa referir que as ovelhas cruzadas apresentam o primeiro cio mais cedo do que as ovelhas de raça pura.

O ciclo do estro

A reprodução em mamíferos não humanos é regulada por um ciclo, o ciclo do estro. Em ovelhas, a duração do ciclo do estro varia entre 13 e 19 dias e a média é de 17 dias. As fases deste ciclo são proestro, estro, metestro e diestro.


O proestro é a parte do ciclo em que os ovócitos atingem a plena maturidade no interior dos folículos. Normalmente estende-se do dia 4 ao dia 13-15 do ciclo. Estro é o período de tempo em que a ovelha apresenta receptividade máxima ao carneiro e ocorre a ovulação. Dura aproximadamente 24 a 36 horas.

Metestro começa com o término do estro e dura cerca de 3 dias. Se ocorrer copulação e fertilização, inicia-se uma gravidez. Se tal não acontecer, inicia-se a fase do diestro, a fase final do ciclo na qual os óvulos não fecundados são eliminados.


O cio é geralmente afectado pelas estações do ano. O número de horas por dia que a luz entra no olho do animal afecta o cérebro, que provoca a libertação de hormonas que induzem o ciclo do estro. Assim, a maioria das ovelhas exibe estro quando a duração do dia começa a diminuir pelo que, a altura do ano mais natural para a reprodução de ovelhas em Portugal será no Outono.


Algumas raças de ovelhas são menos sazonais, apresentam estro durante todo o ano ou apresentam durante um período mais longo de tempo. As raças menos sazonais incluem as raças Dorset, Rambouillet, Mouton Vendéen, Merino, etc. As raças tradicionalmente mais sazonais são as raças britânicas, tal como a Suffolk. Quanto mais próximo estiver o rebanho do equador, mais longo será o período de reprodução e mais curto será o anestro sazonal.


É de referir ainda que os sinais de cio na ovelha são muito menos pronunciados do que na vaca e geralmente não podem ser detectados a menos que um carneiro esteja presente.

Pré-reprodução

Antes da época de cobrição, as ovelhas devem ser avaliadas quanto à sua necessidade de tratamento anti-helmíntico. Devem ter os cascos aparados e, se houver uma história ou risco de abortos no rebanho, as ovelhas devem ser vacinadas. Naturalmente que apenas as ovelhas sadias e reprodutivamente aptas, devem ser expostas aos carneiros para reprodução.


O úbere de cada ovelha deve ser examinado. As fêmeas que apresentem caroços duros ou abcessos, devem ser abatidas. Ovelhas que tenham sofrido um prolapso não devem ser mantidas para reprodução, porque há uma alta probabilidade de voltar a acontecer.Também as ovelhas que não criaram um borrego no ano transacto poderão ser alvo de refugo. Já as ovelhas que apresentem má condição corporal devido à idade e / ou falta de dentes, bem como ovelhas com problemas crónicos de cascos (por exemplo peeira) devem ser abatidas.


Gestação

A duração média de uma gestação em ovinos varia usualmente entre 142 e 152 dias, sendo a média de 147 dias. No entanto, por diferentes motivos, esta variação poderá ser superior. Uma condicionante prende-se com a própria raça da ovelha uma vez que, as raças mais precoces (por exemplo a Finnsheep) tendem a ter gestações mais curtas do que as raças menos precoces (por exemplo a Rambouillet). Também as ovelhas que têm partos múltiplos tendem a ter gestações mais curtas. Já as ovelhas que possuem cordeiros machos simples e pesados ao nascimento têm geralmente um período de gestação superior ao de uma ovelha que vá parir uma fêmea.


O período de gestação mais crítico para o sucesso de uma época de parição ocorre nos primeiros 30 dias após a fecundação. Será nos primeiros 21 a 30 dias após a reprodução que ocorre a implantação embrionária. É durante estes primeiros 30 dias que quando ocorre a maioria da mortalidade embrionária. Assim, tudo o que pode ser feito para reduzir este índice resultará directamente em mais borregos nascidos.


Tosquiar, vacinar, operar ovelhas, grandes mudanças nas práticas de alimentação devem ser evitadas durante os primeiros 30 dias de gestação. A nível nutricional, durante este primeiro terço de gestação, as ovelhas precisam apenas de um pouco acima dos níveis de manutenção.


Já o último terço da gestação é o outro período crítico para a gestação das ovelhas. Será neste período que ocorre o maior crescimento do feto e obriga a que as exigências alimentares sejam muito superiores ao restante período da gestação. As ovelhas que consomem dietas inadequadas estão propensas à toxemia da gravidez e à febre do leite. Uma incorrecta alimentação do animal neste período afecta o tamanho e o vigor dos cordeiros bem como a capacidade de produção de leite.

Parto

Um parto divide-se em três etapas:

1) dilatação do colo do útero;

2) expulsão do(s) feto(s);

3) expulsão da placenta.

Ao iniciar o parto, a ovelha sofre dores em consequência da dilatação do colo do útero que se irá abrindo progressivamente. Esta primeira fase, que tem como objectivo atingir a expulsão do feto, demora usualmente 3 a 4 horas.


O nascimento de um cordeiro ou expulsão do feto ocorre após a fase anteriormente referida e geralmente verifica-se uma hora após a ruptura do saco amniótico. No entanto, numa ovelha primípara ou que vá ter um parto múltiplo, pode demorar mais tempo. Contudo, para se ter uma referência concreta, caso o parto se prolongue por mais de uma hora em ovelhas adultas ou mais de 2 horas nas borregas, geralmente é necessário intervenção humana.


Usualmente, a placenta é expulsa decorridas 2 a 3 horas após o parto. Entretanto, é suposto a mãe ter lambido o filho e este, já de pé, ter mamado o colostro.


Referência Bibliográfica:



#Ovinos

Posts Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes